17 de janeiro de 2022 às 09:59

Aumenta o prazo de uso de força militar na fronteira com o Paraguai

Por Renan Rugolo Ré, redator SEO do Grupo Braços Abertos

Entenda como a droga que entra no Brasil vem do Paraguai e os motivos do Governo Federal em manter as tropas da Força Nacional na fronteira.

   

As medidas do Governo Federal em manter a Força Nacional no Paraguai têm um motivo bem específico, a entrada de cocaína pela fronteira. Deste modo, compreender o que é narcotráfico, e o porque o Paraguai é um país chave na questão do tráfico internacional de drogas reforça os motivos da prevalência da equipe tática no local.

O narcotráfico está associado a um conjunto de pessoas que se unem por uma causa, a venda de substâncias psicoativas ilícitas onde o negócio é altamente lucrativo para o topo da hierarquia do tráfico. Envolvendo o plantio, alteração química, armazenamento, transporte local e internacional, o narcotráfico é mais organizado do que se imagina.

Já o Brasil está diretamente associado ao narcotráfico internacional de drogas, justamente por ser um local ideal para as operações de refinamento, distribuição em território nacional e para Oceania, Europa e continente Africano. Além do mais, o território brasileiro tem proporções continentais e faz fronteiras com os maiores produtores de cocaína do mundo, a Bolívia, o Peru e a Colômbia.

A cocaína e a heroína produzidas na Colômbia tem um destino certo, consumo brasileiro e europeu. O Brasil possui diversas refinarias de drogas altamente protegidas pelo crime organizado onde milicianos, políticos, polícia estão envolvidos hierarquicamente com o tráfico.

Porém, o Paraguai está se destacando internacionalmente no cenário do tráfico, com uma produção em escala industrial da cocaína segundo a matéria de Cláudio Dalla Benetta ao H2foz, onde a quantidade de droga apreendida em aeroportos surpreende cada vez mais. Deixou de ser amador e passou a ser produtor com os 400Kg de cocaína apreendidos em apenas um dia nos aeroportos. Segundo pesquisas, os narcotraficantes encontraram no país um terreno propício para lavar o dinheiro da droga na construção civil, terras, postos de gasolina, hotéis e universidades.

Força Nacional até 29 de maio de 2022 com chance de aumento de prazo

O Ministério da Justiça e Segurança Pública prorrogou até 29 de maio de 2022 o uso das Forças Nacionais em Foz do Iguaçu, fronteira com o Paraguai, justamente para combater a violência, fruto oriundo do narcotráfico. O Diário Oficial da União publicou a matéria na quarta-feira, dia 1° de dezembro de 2021. 

Segundo a revista Veja, na matéria de Caíque Alencar, o ministro Anderson Torres fez a prorrogação justamente para que a Polícia Judiciária e a Perícia Forense atuassem no combate à crimes internacionais para que houvesse a preservação de ordem pública no estado do Paraná.

O Grupo Braços Abertos já fez uma matéria na Band FM sobre a importância da polícia forense e os serviços de inteligência no estudo de combate ao crime organizado, tráfico de drogas, tráfico de pessoas, esquemas de lavagem de dinheiro e apreensão de substâncias ilícitas.

Em matéria, a pasta já tinha sido autorizado o emprego da Força Nacional em Guaíra, Icaraíma, Alto Paraíso e Foz do Iguaçu até 5 de março de 2022, mas com a mudança, a cidade da tríplice fronteira agora terá 3 meses além do prazo estipulado, ainda com chances de aumento de prazo.

Esse sistema está acordado entre ambos países, Brasil e Paraguai de modo a combater o PCC onde as tropas e serviços de inteligência tem como principal alvo as informações sobre as rotas do tráfico em território nacional.

A circulação da cocaína no Brasil

A cocaína oriunda de países produtores e do Paraguai se alastra por todo território nacional e uma pesquisa aponta que 90% das notas em circulação no país podem conter traços da droga. Na matéria de Ana Lucia Azevedo para o portal online O Globo, apresenta o Estudo da UFF onde uma cédula pode contaminar inúmeras outras em instituições bancárias.

Independentemente de onde está o dinheiro, é praticamente impossível pegar uma nota onde os vestígios de cocaína não estejam presentes. As pequenas quantidades que estavam presentes nas notas simplesmente aumentaram sua constância em todo o país.

O uso da cédula como canudo e a porosidade do papel moeda agem como facilitadores na impregnação da droga nas cédulas. Pela cocaína ser muito fina no papel poroso, as máquinas bancárias ajudam a espalhar de uma nota para outra. Além do mais, com a pandemia do novo coronavírus, o consumo de droga disparou no país e as apreensões via terrestre, transporte aéreo e marítimo também foram surpreendentes.

108 toneladas de drogas apreendidas em 2021

Em torno de 10 bilhões de reais em drogas apreendidas no Brasil, totalizando 108 toneladas. Entre 80.687 toneladas de cocaína, 27.124 de maconha no período de novembro de 2020 a novembro de 2021. O assustador é o volume imenso de cocaína que poderiam ser produzidos 242 milhões de papelotes, ou seja, cada pessoa no país poderia ter um papelote e ainda sobrariam 29 milhões.

Toda essa apreensão foi realizada graças aos serviços de inteligência da polícia e auditores fiscais da receita federal. No combate ao tráfico de drogas as equipes de inteligência atuam bem antes da droga entrar ou tentar sair do país. A expertise conseguida pelos auditores fiscais da receita federal vêm sendo aprimorada em anos, com técnicas eficazes de desdobramento das rotas de tráfico em todo território nacional. (Fonte: Sindifisco Nacional)


Fonte: H2Foz ; Veja ; Sindifisco Nacional

comentários

Estúdio Ao Vivo