02 de janeiro de 2022 às 22:23

DICAS DO DR. MODESTO TOFANELO, MÉDICO VETERINÁRIO PARA QUEM TEM GATOS EM CASA

Confira algumas dicas do Dr. Modesto Tofanelo para que tem gatos

Crédito:Dr. Modesto Tofanelo

Quem tem ou já teve gatos, e pôde conviver com essas criaturas maravilhosas, certamente  percebeu que o ambiente doméstico fica muito mais feliz e diferente com esses peludos convivendo conosco e interagindo em nossas vidas. Eu como amante dos felinos, sei que minha vida mudou para melhor após ter dedicado meu tempo a eles e recebido o amor puro que eles nos oferecem.

Os gatos possuem muitas particularidades quando comparados aos cães, a maneira de criação, cuidados, necessidades, alimentação, e o ambiente, precisam ser adaptador para suprir essas necessidades, pois caso contrário, o felino pode vir a apresentar problemas de saúde ou até terem a sua qualidade de vida e bem-estar afetados.

O Fator Ambiente.

Gatos, assim como os cães, devem ser criados totalmente em ambiente doméstico, não podendo dar as "saidinhas" para a rua ou área externa a residência de forma desacompanhada. Como médico veterinário, pude perceber que grande parte dos atendimentos em felinos acorre com gatos que tem acesso livre a rua, onde normalmente podem ocorrer: atropelamentos, agressão por pessoas ou outros animais (cães, gatos ou animais silvestres), envenenamentos e intoxicações, transmissão de doenças infectocontagiosas como por exemplo a FIV (vírus da imunodeficiência felina), Felv (vírus da leucemia felina), micoplasmose, dentre outras. Então a dica é: nunca deixe seu gato ter acesso livre a áreas externas a residência de forma desacompanhada.

Sei que cada residência dispõe de "brechas" que os gatos pode usar para dar uma "escapadinha" ou até fugir e sumir da casa ou apartamento. Para evitar isso, devemos fazer um planejamento antes de trazer um gato para o nosso ambiente familiar, para a segurança do bichano podemos instalar telas nas janelas, corredores externos, manter portas e janelas fechadas, caso não possuam proteção contra a saída dos gatos.

 

Dado a fato que que os gatos devem ser mantidos dentro de casa, se faz importante a implantação de um enriquecimento ambiental, onde proporcionamos um ambiente doméstico mais atrativo para os gatos. Podemos daiquiri casinhas, arranhadores, brinquedos que estimulem o instinto "caçador" dos gatos e locais para eles subirem.

Imagem: Enriquecimento ambiental para felinos

  

Fator nutrição e hidratação

Os gatos requerem alimentação específicas, existem diversas marcas e tipos de rações comerciais que são fornicadas para cada tipo de gato, como por exemplo: ração para gatos castrados, ração para gatos obesos, ração para gatos com doença renal, ração para gatos alérgicos, ração para gatos com pêlo longo, ração para gatos com cardiopatia, rações para raças específicas de gatos  dentre outras. O primordial é oferecer uma ração com componentes de alto valor biológico, os gatos são estritamente carnívoros, e por isso na ração devem conter alguns aminoácidos específicos para manter a boa saúde como a taurina, arginina, metionina (e cisteína), lisina, fenillanfrina (e torosina), leucina , isoleucina e valina que ajudam e são indispensáveis para o bom funcionamento dos organismos  dos gatos

Outro quesito importante é a hidratação, os gatos podem ter uma resistência a sede muito grande, o que faz com que bebam pouca água e desenvolvam distúrbios renais e urinários, uma boa dica é espalhar pela casa vários potes de águas, sempre fresca e fazer o uso de fontes de água comercial, onde a água do bebedouro fica  circulando, também podemos utilizar rotineiramente o alimento úmido que tem um maior teor de água.

Também podemos oferecer as "graminhas para gatos". Essas graminhas podem ser encontradas em  lojas de artigos para animais como a Cobasi e a Petz, elas ajudam a manter o bom funcionamento do intestino, por serem ricas em fibras e até podem vir a ajudar a eliminar bolas de pêlos que estejam no trato gastrointestinal dos felinos.

Outra dica importante é fazermo-nos de tutelinhas de vidro, porcelana ou inox para servir de recipiente para o alimento e a água. As tutelinhas de plástico, mesmo que sejam higienizadas frequentemente, acumulam sujeiras e bactérias que podem vir a causar doenças como a acne felina.


Cuidados médicos

Segundo o WSAVA (World Small Animal Veterinary Association) Os gatos filhotes devem iniciar o protocolo vacinal a partir de 9 semanas de vida, e receberem a segunda dose como reforço entre 3 e 4 semanas após a primeira dose, e anualmente após a última dose devem receber uma dose como reforço anual, podendo ser feitas as vacinas V3, V4 ou v5, que é Vacina líquida preparada a partir de vírus da Rinotraqueíte, Calicivirose, Panleu- copenia e Leucemia felina e Chlamydia psittaci, cultivados em linhagens celulares e inativados através de um processo que mantém o seu poder imunogênico. Contém uma cepa adicional de calicivírus, responsável pela Cali- civirose Hemorrágica, que se mostrou eficaz na proteção contra quadros de hemorragia decorrentes da infecção, em gatos vacinados e desafiados sob condições experimentais.

É indicada a castração das fêmeas antes do primeiro cio, como forma de prevenção de inúmeras doenças, e os gatos machos devem ser castrados assim que os testicular descerem para a bolsa escrotal. Em alguns casos, somente um ou nenhum testículo  desce para a bolsa escrotal, se a descida não ocorrer até 1 ano de idade deve-se levar o animal ao veterinário para determinar se o animal é criptorquida que é uma condição  patológica e que devem ser corrigida cirurgicamente, ou se é anorquia, condição em que o animal nasce sem um ou ambos os testículos.

Os gatos devem ser levados para consultas de rotina a cada 6 messes ou no máximo 1 vez ao ano, em condições em que o felino esteja aparentemente saudável, já os fatos que estão em tratamento de alguma doença, ou os que apresentam problemas de saúde recorrentes, devem comparecer ao atendimento veterinário com um espaço menor de tempo.

Vale ressaltar que os gatos de pelagem alaranjadas (ruivos) e os de pelagem brancas ou muito claras, não podem permanecer muito tempo ao sol, pois correm o risco de desenvolverem doenças de pele. Caso não possa bloquear o acessos desses fatos as áreas de sol da casa, deve-se fazer o uso de protetores solares específicos.

Por Modesto Tofanelo, Médico Veterinário

Siga nas redes sociais do Dr. Modesto Tofanelo para mais dicas:

Instagram: @modestotofaneloveterinario

Facebook: @DrModestotofaneloveterinario

Agendamentos de consultas, exames, cirurgias ou consultorias pelo direct ou pelo contato: (15) 99719-4331

Fonte: Autoral

comentários

Estúdio Ao Vivo